AveiroMag AveiroMag

Magazine online generalista e de âmbito regional. A Aveiro Mag aposta em conteúdos relacionados com factos e figuras de Aveiro. Feita por, e para, aveirenses, esta é uma revista que está sempre atenta ao pulsar da região!

Aveiro Mag®

Faça parte deste projeto e anuncie aqui!

Pretendemos associar-nos a marcas que se revejam na nossa ambição e pretendam ser melhores, assim como nós. Anuncie connosco.

Como anunciar

Aveiro Mag®

Avenida Dr. Lourenço Peixinho, n.º 49, 1.º Direito, Fracção J.

3800-164 Aveiro

geral@aveiromag.pt
Aveiromag

Pedro Dias: Museu do Vinho Bairrada chega aos 20 anos amadurecido

Património

É uma espécie de hino aos produtores vitivinícolas da Bairrada, e aos néctares que eles têm vindo a produzir ao longo da história, mas é também uma casa da cultura de excelência. Basta olhar para a lista de artistas que já tiveram ali expostos para arriscar a classificação: Júlio Pomar, Nadir Afonso, Manuel Cargaleiro, Cruzeiro Seixas, Amália Rodrigues, Siza Vieira e Fernanda Fragateiro, entre outros. A estes juntam-se também uns quantos vultos da escrita que deixaram os seus registos e testemunhos criativos nos catálogos e livros do museu, tais como: Valter Hugo Mãe, José-Augusto França, Irene Pimentel, Agustina Bessa Luís e Alexandra Lucas Coelho. Situado em Anadia, o Museu do Vinho Bairrada chega aos 20 anos com um passado invejável - é caso para dizer que amadureceu bem - e uma vontade tremenda de prosseguir o seu caminho de crescimento.

A abertura ao público aconteceu em 2003, fruto de uma aposta da Câmara Municipal de Anadia. Pedro Dias, de 51 anos, diretor da unidade museológica, lembra-se bem desses tempos, assim como dos momentos que antecederam a inauguração. “Fiz parte da equipa que esteve a trabalhar na curadoria para desenvolver o projeto museológico”, recorda, antes de guiar a Aveiro Mag numa visita à unidade museológica. “Já passaram por aqui muitas exposições e eventos. Em 20 anos conseguimos solidificar o nome do museu, quer no sector vitivinícola, do enoturismo, mas também a nível cultural”, sustenta.

As novas exposições temporárias, inauguradas precisamente no âmbito do 20º aniversário do museu, ajudam a comprovar a importância que Museu do Vinho Bairrada vai tendo, também, na área das artes plásticas: uma delas, “Artistas Portugueses na Tapeçaria de Portalegre” apresenta obras de consagrados artistas portugueses em Tapeçaria de Portalegre (exemplo: Almada Negreiros, Joana Vasconcelos, Maria Keil, Vieira da Silva, Graça Morais, Júlio Resende, entre outros); a outra, “José d’Almeida – O Poeta da Luz”, é uma homenagem póstuma ao artista José d’Almeida, falecido em outubro de 2022.

Pedro Dias reconhece que não tem sido fácil trazer a Anadia artistas e obras que raramente saem das grandes cidades, mas “o trabalho tem sido muito gratificante”, assevera. “Este equipa, apesar de ser muito pequena, sempre teve esse princípio: não há impossíveis”, realça, enquanto nos conduz ao longo das salas localizadas no rés-do-chão e onde são apresentadas as exposições temporárias.

Maquinaria antiga e importantes coleções

Instalado num edifício construído de raiz, ao lado de uma vinha e da Estação Vitivinícola da Bairrada, o Museu do Vinho Bairrada vai desvendando grande parte do seu espólio no piso abaixo do solo. De entre os vários artefactos expostos é de salientar a primeira maquinaria de espumantes utilizada em Portugal (finais do século XIX) para a produção do espumante. O espaço acolhe ainda um importante conjunto de coleções, designadamente, uma das maiores coleções mundiais de saca-rolhas (Adolfo Roque), a maior coleção nacional de tamboladeiras em prata desde o século XVIII até à atualidade (Comandante José Rafeiro), e ainda uma enorme coleção de rótulos de vinho, cartazes publicitários e garrafas representativas da história secular da Bairrada.

Do acervo do museu faz ainda parte um conjunto diversificado de equipamentos e vidraria secular, bem como uma vasta coleção de obras de arte contemporânea, onde se incluem algumas das maiores telas alusivas à temática do vinho alguma vez concebidas em Portugal.

São milhares de peças que têm ajudado a afirmar o museu no panorama nacional e internacional, atraindo novos públicos, mas também uns quantos repetentes. “Temos pessoas que nos revisitam constantemente, são presença assídua na nossa programação”, nota Pedro Dias, recordando que aquele equipamento cultural é também palco de vários eventos e atividades, de que são exemplo as “Quintas no Museu” e as masterclasses de vinhos.

Tudo isto para ver e aproveitar, de terça a sexta-feira, das 14h00 às 17h00, e, ao sábado e domingo, das 10h00 às 17h00 (encerra à segunda-feira e feriados).

Campus Jazz Publicidade

Apelo a contribuição dos leitores

O artigo que está a ler resulta de um trabalho desenvolvido pela redação da Aveiro Mag. Se puder, contribua para esta aposta no jornalismo regional (a Aveiro Mag mantém os seus conteúdos abertos a todos os leitores). A partir de 1 euro pode fazer toda a diferença.

IBAN: PT50 0033 0000 4555 2395 4290 5

MB Way: 913 851 503

Deixa um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são de preenchimento obrigatório.