AveiroMag AveiroMag

Magazine online generalista e de âmbito regional. A Aveiro Mag aposta em conteúdos relacionados com factos e figuras de Aveiro. Feita por, e para, aveirenses, esta é uma revista que está sempre atenta ao pulsar da região!

Aveiro Mag®

Faça parte deste projeto e anuncie aqui!

Pretendemos associar-nos a marcas que se revejam na nossa ambição e pretendam ser melhores, assim como nós. Anuncie connosco.

Como anunciar

Aveiro Mag®

Avenida Dr. Lourenço Peixinho, n.º 49, 1.º Direito, Fracção J.

3800-164 Aveiro

geral@aveiromag.pt
Aveiromag

Anabela Figueiredo e a associação que melhora a vida das crianças com cancro

Sociedade

Natural da freguesia da Glória, em Aveiro, Anabela Figueiredo é mãe de dois filhos e fundadora da Calioásis. 

 

Já nos tínhamos “cruzado” com Anabela Figueiredo em janeiro de 2021, quando todas as entrevistas e conversas tinham que ser feitas à distância. Ainda que estivéssemos impossibilitadas de conversar cara a cara, foi fácil perceber o quão grande era a determinação desta aveirense de 53 anos e mãe de dois filhos lindos. Na ocasião, Anabela dava-nos conta da constituição da associação Calioásis e do seu sonho em construir um centro de bem-estar para crianças com cancro. Desde então, a Calioásis não tem parado de criar respostas, com projetos que já mereceram, inclusive, alguns prémios - um deles, o “Calisense Sobre Rodas”, precisa de um empurrãozinho de todos nós, uma vez que a associação precisa de angariar 30 mil euros para levar alegria e cuidado a casa das crianças com cancro. Passaram pouco mais de três anos e a conversa presencial, finalmente, aconteceu, confirmando todas as suspeitas: Anabela Figueiredo, juntamente com aqueles que a acompanham na Calioásis, está empenhada em contribuir para o bem-estar e qualidade de vida das crianças e jovens com cancro, bem como contribuir para o alívio da sobrecarga dos cuidadores.

Natural da freguesia da Glória, em Aveiro, Anabela Figueiredo iniciou a licenciatura em Química na Universidade de Aveiro, mas depois foi para o Reino Unido, mais propriamente para Glasgow, na Escócia, onde terminou o curso. Teve ainda a oportunidade de cumprir um estágio, em Londres, Inglaterra, mas viria a mudar-se, mais tarde, para Paris, para fazer o mestrado em Química Orgânica, pela Université Sorbonne. Contas feitas, esteve fora de Aveiro por 11 anos. “Sempre projetei a minha vida em termos internacionais”, conta-nos. “Gostei de estar na Grã-Bretanha e em Paris. Talvez tenha gostado mais de viver na Grã-Bretanha porque estive lá mais tempo e fiz mais amigos”, confessa.

Quando regressou a Aveiro, integrou o quadro de pessoal da empresa OLI, onde se manteve durante seis anos. Hoje, dedica-se por inteiro à Calioásis (cuja presidência está agora nas mãos de Daniel Francisco), missão que a levou a buscar formação na área da inovação social – fez uma pós-graduação em gestão de organizações da economia social, na Universidade Católica. Será um pouco este o percurso que partilhará, a 1 de junho, com a assistência do TEDxAveiro, quando subir ao palco da NAVE de Aveiro, na certeza de que procurará, acima de tudo, virar os holofotes para a associação fundada por si em 2020.

 

Feira do Livro Publicidade

Garantir o bem-estar das crianças e famílias

Foi a partir da sua própria experiência, enquanto mãe de um jovem com cancro, que Anabela Figueiredo percebeu que faltavam respostas para as crianças, jovens e respetivas famílias, afetados por esta doença. “A associação serve para responder às necessidades prementes de todas as crianças e jovens que passam por uma crueldade destas, bem como para as suas famílias”, numa “vertente não clínica, isto é, na qualidade de vida, no bem-estar e na saúde mental”, aponta. “A nossa ideia original passa por um centro de bem-estar, mas rapidamente percebemos que não seria fácil de executar porque é um projeto ambicioso. Mas as necessidades destas famílias são tantas que não podíamos descansar enquanto não arranjássemos respostas que aliviassem este sofrimento”, prossegue.

 

 

Em 2021, os dirigentes da Calioásis tiveram a ideia de começar a “prestar apoio ao domicílio através de atividades lúdicas – como a dança, treino personalizado, música, pintura. Atividades relacionadas com as artes, o corpo e o descanso do cuidador”. Apresentaram uma candidatura à Portugal Inovação Social, a “entidade pública por excelência desta área”, e o projeto foi aprovado – e cofinanciado pelo Fundo Social Europeu, pelo Orçamento de Estado e por investidores sociais públicos e privados. “Apoiámos 33 famílias e contratámos quase outros tantos prestadores de serviço em toda a região Centro para prestarem esse apoio ao domicílio em diversas áreas, as que fossem da preferência das crianças. Tudo personalizado e totalmente gratuito”, enquadra, lembrando que, se para crianças saudáveis não faltam atividades, para estas crianças não é assim. “Desenvolvemos uma metodologia segura, que exige pessoas com formação específica, o uso de EPIs e uma enorme flexibilidade dada a condição clínica da criança. Não como um ATL convencional em que se tem aquela atividade três vezes por semana e está feito”, explica Anabela. Em 18 meses, no âmbito do projeto que recebeu a designação de “Calisense”, foram desenvolvidas 1.500 horas de atividades nas casas das crianças.

A ideia passa, agora, por pegar nessa experiência e fazê-la chegar a ainda mais pessoas. “No final de 2023, ganhámos o prémio BPI Fundação ‘La Caixa’ Infância, com o projeto ‘Calisense Sobre Rodas’, para podermos levar alegria e cuidado a casa das crianças com cancro, numa ‘carrinha de encantar’. O valor do prémio permitiu-nos comprar a viatura. Resta agora investir na sua adaptação para as atividades que vai ajudar a promover”, introduz a fundadora da associação. “A carrinha vai ser revestida com material próprio, fácil de desinfetar, vai ter móveis, acesso para cadeira de rodas, ar condicionado, tomadas, wi-fi, monitor, uma parte envidraçada com um toldo exterior…”, exemplifica. Todos são chamados a apoiar a campanha de crowdfunding que está em curso para assegurar os 30 mil euros necessários à transformação da carrinha. Quem quiser (e puder) ir mais além pode tornar-se associado (25 euros por ano), inscrever-se na bolsa de voluntários - para desenvolver atividades pontuais, participando da vida lúdica do hospital - ou adquirindo os artigos da associação. “O ideal era ter mais associados e poder contar com a responsabilidade social das empresas, através de donativos. Já temos muitas empresas amigas e parceiras, mas era bom podermos contar com mais apoios”, desafia Anabela Figueiredo.

“As pessoas são sensíveis a esta causa [cancro pediátrico], ainda que não seja uma realidade muito conhecida. Precisamos de chegar às pessoas e de lhes explicar que estas realidades existem, que são problemáticas muito densas. Como se já não bastasse termos a vida de uma criança ameaçada - algo completamente contranatura na Europa do século XXI -, é um problema que afeta as famílias - a mãe, o pai, os irmãos… -, as finanças, a vida profissional… A vida normal das famílias pára, deixa de existir. Muitas vezes, um dos progenitores tem de deixar de trabalhar durante muito tempo, mas há muitas famílias monoparentais. Quem é que sustenta a casa?”, repara, asseverando que “há muitas necessidades e as respostas não são suficientes”.

 

Apelo a contribuição dos leitores

O artigo que está a ler resulta de um trabalho desenvolvido pela redação da Aveiro Mag. Se puder, contribua para esta aposta no jornalismo regional (a Aveiro Mag mantém os seus conteúdos abertos a todos os leitores). A partir de 1 euro pode fazer toda a diferença.

IBAN: PT50 0033 0000 4555 2395 4290 5

MB Way: 913 851 503

Deixa um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são de preenchimento obrigatório.